sábado, 28 de fevereiro de 2015

NÃO HÁ TRADUÇÃO PARA AFETOS





De tudo quanto habita em mim apenas saudade.
Cobre meus pensamentos seu efeito sobre minha pele, e a imagem de tua gélida face diante do confronto e a eminência de teus sentimentos submersos.
Porque há distancia, se ainda te quero?
Porque quero? Como eu te quero?
A resposta é: “Não há tradução para os afetos”.
Eles não se explicam, eles aos poucos se revelam...
Tua ausência não serve senão como um grande fertilizante para pensamentos absurdos.
Por isso não te peço escolhas, aceito o tão somente pouco de sua presênça reativa e remota.

Por isso não observo a congruência quando me pedes para me lembre de você durante o dia, pois quando temos que nos lembrar é porque em algum momento já temos esquecido, e as pessoas especiais nós não esquecemos, elas permanecem sempre ativas perambulando em nossa mente. 

Ps.
Escrever é uma paixão, portanto não tente me encontrar em linhas, frases compostas, e pensamentos estraviados,  escrevo porque amo, porque sinto necessidade de expressar sentimentos, sentimentos estes que por vezes serão meus ou Não. 

Beijos
Rê Pinheiro

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. ...e muitas, de quem lê.

    ResponderExcluir
  3. Veio com tudo hein Dona Rê Pinheiro?
    Estava com saudades de seus posts.
    Beijos
    Edu

    ResponderExcluir