segunda-feira, 24 de maio de 2010

Agora



Linda vida que corre...
Grita e geme.
Doida vida que encanta e dança entre o som que ninguém mais ouve.
Entre as cores que poucos enxergam.
Querida vida que pulsa ferve e lateja numa veia que já estava secando.
Vida de girassol de beleza de pudim e maionese...
Vida que socorre na noite fria de instinto e poesia.
Viagem de uma vida.
Vida em forma de uma viagem.
Nada a declarar neste momento.
Somente o desejo de viver de amar e sonhar.
Pois é, você me conhece, começo de uma jeito, vou terminando de outro.
Nada que faço é comum aos olhos dos comuns.
Por isso você me entende.
Entende que eu não sou fácil.
Sou indócil.
Uma mulher das montanhas, um bicho do mato.
Mas sou o amor em seu estado bruto, sólido e cálido.
Amanhã a noite posso não estar mais aqui para te amar, mas mesmo assim
sentirás minha presença, meu sabor ácido em sua boca seca.
Sentirá um vento que carrega meu cheiro e transporta minha saudade.
Lá pelas tantas ouvirás o som do silêncio.
Perceberá que a vida pode trazer, mas ela também pode levar.
A vida é a vida.
É a graça e a ousadia de viver e querer sempre...


Beijos

Rê Pinheiro

Um comentário:

  1. Querida Regiane...
    Mulher das montanhas, fazedora de sonhos,
    criatura de Deus e super-hiper-mãe do Gi.
    Pois é, de novo por aqui...
    Lindo texto. Adorei lá e aqui.
    Parabéns...
    Sou fã de suas linhas, de suas idéias e da paixão que você tem pela vida.
    Um beijo grande,
    Maü Cardoso.

    ResponderExcluir