segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Alma gêmea?


Estou em duvida sobre aquele antigo desejo de quem gostaria de encontrar a alma gêmea.
Será que gostaria mesmo?
Será que isso realmente vai te fazer feliz?
Imaginem você encontrar alguém que gosta do que você gosta.
Que ama com a mesma intensidade que você ama.
Que admira as mesmas coisas.
Que detesta também.
Aquela pessoa que te conhece apenas olhando nos teus olhos e prevê todos os seus anseios.
Sabe parei para pensar e cheguei à conclusão que este negocio de alma gêmea é uma baita dor de cabeça lascada.
Imagina alguém que não vai discordar de você, que vai te amar igualzinho você ama.
Aquela pessoa que vai ser pior que a mãe Dina e o Walter Mercado juntos.
Bem, sei que muitos não irão concordar com minhas palavras.
Mas eu quero o diferente.
Eu quero quem gosta do avesso.
Quem vai à contra mão a minhas afirmações.
Alguém que discorde de mim às vezes e que tenha peito para olhar nos meus olhos e dizer o que preciso ouvir não o que desejo ouvir.
É fácil encontrar aquele tipo de homem que te enche de elogios que te enche de tudo e ao mesmo tempo quando ele vai embora você permanece exatamente como estava vazia, vazia de emoção, de sentimentos.
Completamente, sem amor, sem dor sem saudades.
Tem graça isso?
É lindo ver dois gatinhos namorando, mas é muito louco quando você vê um gatinho querendo namorar um leão.
( Obs. Não sou o gatinho da história) rs
Bem, então deixe de procurar alma gêmea, comece pelo sentido oposto, mas não pense que os opostos podem se atrair e sim eles podem se complementar.
Nas diferenças encontramos soluções enquanto nas semelhanças batemos de frente com o comodismo.


Beijos

Rê Pinheiro

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Declaração ao amor


Querido encandecente, dócil e destemperado homem.
Se és meu ou não.
Se estas perto ou não.
Se sua condição racional me intriga ou incomoda.
De que adianta pensar?
O amor não requer muitos pensamentos.
Ele sobrevive de esforços.
Não são cauculos nem tão pouco explicações de coisas inexplicáveis.
Minha engenharia é emocional.
E a qualidade esta na visão minuciosa, na observação.
O desenvolvimento você verá aos poucos, aperfeiçoando o que nunca será perfeito.
Não leve muito em consideração a impulsividade e bagunça que faço com os sentimentos.
Se lhe digo que gosto é porque gosto.
Quando falo que te amo é porque naquele exato momento estou sentindo este amor com toda a intensidade visceral deste meu beligerante coração.
Fiquei encantada quando escreveste meu nome na areia.
Mas preciso sentir ele gravado em suas entranhas.
Preciso acordar de manhã e ter um bom dia de alma.
Preciso de uma cozinha para deixar bagunçada e de louças pratos e copos para eu quebrar.
Quero um chuveiro com agua bem quente e bem forte que eu sinta minha pele queimar.
Sexo Tântrico... selvagem... sem hora... agora e depois de amanhã.
Carinho em excesso e uns tapas de vez em quando.
Tratamento de choque e uma camisa de força ou de Vênus.
Quando eu quiser parar o carro e ajudar quem eu nem sei quem é, por favor entenda.
Se precisar ficar meio embriagada, tente não me fazer comer, porque vou vomitar.
Mas se eu vomitar em alguma coisa deixe que eu mesma limpe.
Porque ai me lembrarei que não posso beber.
Se eu surtar no sentido literal de dor de cabeça, faz o seguinte:
Tente não falar.
Se não passar comece a falar para caramba para me fazer esquecer da dor.
Adoro ouvir historinhas.
Claro, analgésicos e alucinogénos serão bem vindos... rs
Mas minha avó me ensinou uma santa receita para isso.
Um remédio de efeito sublime que ameniza a dor imediatamente.
Mas isso é um segredo de família e não deve ser revelado a ninguém, por isso estou contando só a você.
Então anote e guarde a sete chaves:
500g de queijo mascarpone
250ml de café sem açúcar
125g de açúcar
4 gemas
2 claras
1 caixa de biscoito champagne
1/2 dose de grappa
Para preparar este santo remédio você terá que seguir a risca minhas palavras, exatamente como minha vó ensinou:
Bata as gemas com o açúcar na batedeira até obter um creme esbranquiçado. À parte, bata as claras em neve. Misture o queijo mascarpone com as gemas e incorpore levemente. Misture o café com a grappa. Molhe os biscoitos nesta mistura e coloque-os na forma. Cubra com uma camada de aproximadamente 2cm do creme de mascarpone. Repita a operação e finalize com o creme. Leve para gelar. Na hora de servir o remédio tome seus cuidados, polvilhe com cacau em pó Suíço CLAROOOO. E pronto esta preparado.
Peço apenas que tome cuidado para que não haja overdose no paciente.
Enfim, eu te amo.
Amo o verde amarelo azul e branco da bandeira.
Amos os cuidados de quem ama.
Acho legal aquela coisa das difenças de macho e fêmea.
Porque tem hora que você não sabe quem é quem.
Abrir a tampa do vidro de doce de abóbora é tarefa para fêmea.
Abrir o portão também é coisa para fêmea.
O macho que é macho tem que se preocupar com as flores.
Com chocolates e como extrair o melhor sorriso os maiores gemidos.
Bem, vou terminar por hoje porque é melhor...



Beijos

Rê Pinheiro

domingo, 14 de novembro de 2010

Detalhando





Sabe queria deixar bemmmm claro que muitas vezes lhe direi coisas completamente malucas.








Vou te pedir o que nem sei se quero.

Vou chorar sem motivo, e dar risada de mim mesma logo em seguida.

Vou te pedir, praticamente ordenar, com aquela minha cara de mulher decidida, quando na verdade estarei no meu eu mais oculto e mais sincero esperando simplesmente que você não me obedeça.

Como também haverá momentos que você terá que fazer aquela sua cara de compreensão budista e balançar sua cabeça com um gesto de sim, mesmo não concordando com nadica de nada que fiz ou falei.

Ah! Tá bom, já sei. A estas alturas esta pensando que você deveria pular de uma ponte com um fio de nylon amarrado a uma pedra de quartzo azul enrolado no pescoço.

Que nada!

Sou simplesmente completamente, absolutamente fácil de entender.

Se atente aos detalhes.

Sabe tenho aqueles defeitos normais de uma mulher.

E alguns outros estranhos que não acho que deve ser enquadrado na lista de defeitos, mas sim de particularidades tais como:

Comer as pelinhas dos cantos dos dedos.

Falar enquanto durmo.

Conversar com todo mundo como se eu conhecesse a anos, chamando a todos de meu anjo, meu amor...

Não passo dos 100Km/h quando estou no volante e adoroooo virar o retrovisor para retocar o baton.

Amo comer a sobremesa primeiro e não sou o tipo que come pouco. TENHO MUITA FOME.

Isso é péssimo, mas é verdadeiro. ( muitas vezes não presto atenção quando você esta falando) me perco nos pensamentos e simplesmente viajo.

Não sei ser organizada, mas decifro e me acho dentro da desorganização da minha bagunça.

Sou como meu pai fala, estabanada por natureza, invento demais e tenho um monte de ideias de girico, por isso ganhei um apelido aos 5 anos de idade de " Rei da bosta".

Falei algumas coisas sobre mim, alguns defeitos básicos de fabricação.

Mas por favor, por mil coraçõezinhos não se esqueça das minhas qualidades...

Também não se esqueça de entregar.

Não tente ser o que você não consegue.

Nem tente sentir o que não é.

Procure fazer apenas o seu melhor, para quem quer que seja, sem motivo sem causa e efeito.

Acredite, é mais feliz quem sabe chorar, quem teve a ousadia de se permitir sofrer.

Porque tem gente que não consegue amar.

Não consegue nem se quer tropeçar, porque não anda, e se tropeça fica ali sentando reclamando.

Ah! Reclamar.

O inútil e fútil dom de reclamar.

Reclamar do doce que esta sem doce.

Dá alegria que esta sem graça.

Dá graça que é de graça.

Reclamar do mar, da luz e do vento.

Se faz Sol reclamam do calor.

E chove faz cara feia.

Gente que não sabe saborear um sorvete.

Tem alguém que um dia me falou que um dos maiores motivos para terminar um relacionamento foi este,
a pessoa reclamava demais.

Imagina que vida mais sem cor é desta pessoa?

Como pode reparar já mudei de assunto novamente.

Acho que é porque fiquei P da vida com alguém.

Alguém que por ser certo demais, é incerto nos sentimentos.

Do tipo que se você colocar uma montanha e um queijo ele não saberá encontrar a diferença a diferença.

Imaginem uma pequena cápsula que possui o poder de fazer você parar de sentir.

Uma coleira para suas emoções e a prisão das suas reações.

Ainda hoje me perguntei, o que seria melhor, aceitar minha condição de louca ou me tornar refém de um medo?

Me permito ser louca.

Me permito ser bem louca para os normais, mas que sabe o que quer, quando ela quer e com quem ela quer.





Beijos desta louca.

Rê Pinheiro

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Manhã...tarde...noite...madrugada e desejos...






Taxa de atividade cerebral esta aumentando, sinto que minha pressão esta entre a saudade e a vontade de viver.

Na verdade o que é uma dor se comparado ao sorriso de uma criança e ao por do Sol de uma Ilha?

De repente estou cercada pelo Mar, entre vales e montanhas e a beleza do infinito.

Sabe quando você acorda com desejo de correr em direção ao arco íris para procurar o tal pote de ouro escondido?

Pois é acordei assim, com todo os versos.

Lá pelo meio dia surgiu a febre, carne tremula e olhos brilhando.

Aquela febre que só vai embora depois de sentir o abraço apertado.

Febre que desaparece com o beijo, aquele beijo.

Sempre achei que deveríamos ter dois corações, porque sempre achei que um só é pouco para guardar a saudade e todo o meu amor.

Fim de tarde, preâmbulo da inquietude eminente.

Difícil ler a alma de uma mulher.

Mas mais difícil ainda é tentar.

Homens, queridos homens...

Divinamente intrigantes.

Complicados por natureza, racionais por definição.

Chegou a noite, a bela se transforma e Lua neste instante faz surgir os Lobos, os loucos.

O Mau sublime e necessário, o peito apartado e o ar rarefeito, contrastes de uma vida.

Vai entrar a madrugada e meu ultimo desejo.

Queria esfregar a lâmpada e pedir ao gênio, um pote cheinho de Tiramissú.