quarta-feira, 7 de julho de 2010

Carta ao vento











É na minha loucura, esta docê e louca sensibilidade que falei verdades e escondi sentimentos...
Brinquei de não querer amar, por medo de sofrer e perder.
Infinito breve é meu tempo que corre num constante desatino de querer viver...
Talvez tu foste aquele, que com poesia e emoção atingiste meu coração.
Foi o meu desejo, a minha vontade, foi um encanto no topo de uma fria serra que me fez sonhar.
Ouso em dizer que minhas mãos ainda sentem a voz de sua leitura.
Nas linhas delas você enxergou o futuro, descreceu meu passado e não soube discernir o presente.
Talvez estas linhas ainda estejam em um estado crisálido...
Quero apenas deixar claro que minha loucura tem um nome, tem um motivo real e sigiloso.
Um dia não muito distante tu saberás que minhas palavras sem nexo foram minhas mais profundas doses de querer viver e amar...

Beijos desta "'VIDA'"
Rê Pinheiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário